terça-feira, dezembro 26, 2006

quinta-feira, dezembro 07, 2006

"Café e chocolatinhos"

Pois é afinal parece que não é so fruta!

Hoje no jornal da noite a TVI, antes da importante notícia sobre o novo álbum dos d'zrt e logo a seguir á notícia das propostas às 7 maravilhas de Portugal, ou seja, a penúltima notícia, era sobre o novo livro de Carolina Salgado, ex-companheira do famoso guarda Abel durante os jogos do fcp na Luz ou, se quiserem, ex-companheira de pinto da costa.
Em discurso directo, Carolina disse, com todas as letras, que o Sr. Martins dos Santos e um outro arbitro do qual eu não me lembro o nome (por estranho que pareça não encontrei a noticia em mais nenhum local...) era frequentadores habituais da casa de pinto da costa, que iam lá "tomar café e comer chocolatinhos", ou seja, era habito irem lá a casa antes dos jogos. O jornalista insistiu e perguntou se era só isso que lá iam fazer, ao que Carolina Salgado respondeu que não, eles iam la para serem pagos se o trabalho fosse bem feito.
Disse ainda que, pinto da costa, por ser muito cuidadoso raramente tratava pessoalmente desses assuntos.
Nada do que disse me espanta, o que estranhei é que como acompanho as noticas na hora do maisfutebol e as do jornal a bola, só soube da noticia instantes antes do fim do telejornal da TVI, jornal esse que abriu com a notícia sobre o caso do Nuno Assis e a meio mostrou o resumo dos jogos da LC de ontem.
Será que so o arresto dos bens do Veiga é que é notícia de abertura?

O jornal www.maisfutebol.iol.pt ontem tinha uma notícia sobre o castigo de um jogo atribuído a Nuno Gomes (aqui), pessoalmente também acho que um jogo é castigo leve para a infantilidade do Nuno Gomes, no entanto não é a primeira vez que este tipo de entradas (e piores) são punidas só com um jogo de castigo.
O mesmo jornal 2 horas mais tarde (provavelmente ainda com algum mal-estar provocado pelo jogo do fim de semana) tem uma nova notícia sobre este castigo com o título: Critérios diferentes para punir jogo violento, onde se pode ler “Os dois jogadores do Benfica foram punidos com uma partida de suspensão. Os futebolistas de Marítimo e Sp. Braga cumpriram dois jogos de castigo. “. Os dois jogadores do Benfica são Nuno Gomes e Manú. Convém lembrar que o Manú foi expulso e castigado com um jogo numa jogada em que não chegou a tocar no jogador do Boavista. O autor da notícia esqueceu-se (claro!!!) de referir que o Polga, por agredir o Nuno Gomes, também só teve um jogo de castigo, ou então que o Miguel Garcia nem sequer foi castigado por agredir um jogador do Benfica.


P.S.: Pouco depois de escrever o post o record tem esta notícia, com mais alguns dados interessantes.

Até para o ano...

O Benfica despediu-se da Liga dos Campeões com uma derrota em Old Trafford. Analisando aquilo que se passou no jogo, creio que o Manchester foi um justo vencedor, ao contrário do jogo de Lisboa. O Benfica só conseguiu ser uma equipa, no verdadeiro sentido da palavra, nos primeiros minutos e depois de fazer o 0-1, acordou o Manchester United que nos encostou às cordas (ou à baliza). Não tenho nada a dizer da entrega dos jogadores, mas parece-me que nos faltou um pouco mais de qualidade no nosso jogo, especialmente nos aspectos defensivos. Algumas desatenções nas marcações, alguma intranquilidade dos jogadores chaves da defesa (Luisão, Katsouranis...) e sobretudo centímetros a menos. Por alguma razão, o Koeman apostava quase sempre no Alcides para estes jogos.

Mas, ao contrário do D'Arcy não me parece que o Benfica tenha deitado fora o apuramento no jogo com o Manchester United, no Estádio da Luz. Eu acho que o Benfica começou a entregar o seu lugar nos oitavos-de-final logo no primeiro jogo em Copenhaga, quando não quis ganhar. E não é porque o Manchester United e o Celtic não venceram lá que mudo de opinião. O Benfica não teve a atitude certa nesse jogo, a atitude necessária a uma competição muito exigente em que todos os pontos são poucos. O mais incrível é que, mesmo não querendo ganhar, até íamos ganhando!

Claro que, a partir daí, estivemos sempre a tentar recuperar, sempre sob pressão, sempre ansiosos. E foi essa pressão (mais o ambiente hostil) que nos deitou abaixo também em Celtic Park. Agora, o que realmente interessa é que, por essa falta de querer, o Benfica vai perder milhões de Euros.

Porquê é que isto aconteceu? Deixo a resposta à imaginação dos leitores, porque não quero ser acusado de dizer mal do Benfica. E para que conste, na minha opinião, na noite passada fizemos um bom jogo e não envergonhámos ninguém. Os jogadores deram tudo o que tinham e o que sabem e sentimos o respeito da parte do nosso adversário. Esta é talvez a nossa única grande vitória, na nossa participação nesta competição.

Até para o ano, Champions League!

Toda a atenção é pouca...

Pois é...

A época é longa como sabemos. Pelo que já se viu, e, muito especialmente, pela imprensa que temos, toda a atenção é pouca...

Assim sendo, convidámos mais um adepto do Glorioso para estar atento e escrever sobre as barbaridades que por aí vão surgindo.

A partir de hoje, teremos mais um colaborador para animar o nosso blog e, acima de tudo, denuncionar estratégias Anti-Benfica.

Bem vindo clov e boa sorte :)

Como sempre, "Viva o Benfica!".

segunda-feira, dezembro 04, 2006

Ai, se fosse o Veiga...

O Jogo, 25-11-2006:

O presidente da Direcção do Sporting, Filipe Soares Franco, firmou recentemente um acordo de patrocínio com a SAD do Estoril-Praia, por intermédio de três empresas do grupo OPCA. Esta denominação surgiu inscrita nas costas das camisolas do Estoril, pela primeira vez, no jogo do passado domingo com o Guimarães, esgotando as restantes empresas do grupo os espaços reservados, nas instalações do Estádio António Coimbra da Mota, para publicidade estática.


Afinal estes impolutos, também metem dinheiro nos outros clubes.

Bem... Pelo menos, não é patrocínio ao whisky Jameson's...

PS - Obrigado ao JT pela chamada de atenção para este facto.

domingo, dezembro 03, 2006

Derby

O jogo de sexta deixou-me novamente a pensar no desperdício que está a ser ter este treinador à frente de uma equipa com tanta qualidade. O Benfica mostrou, finalmente, aquilo que me parecia ser a sua grande mais-valia: uma grande experiência em todos os níveis, que lhe permitiu gerir sempre o jogo com tranquilidade, à semelhança do que se viu o ano passado, em particular em Liverpool.

Impressiona-me também como algumas facções lagartas insistem em falar do árbitro, quando as jogadas mais polémicas foram todas acertadamente decididas ou a penalizar o Benfica: o suposto penalty do Simão é ridículo porque o Miguel Garcia está quase deitado quando consegue que a sua pata toque no pé do capitão do Benfica, a mão na bola, no livre do Simão, é óbvia, o Tonel não vê amarelo quando agarra propositadamente o Simão, pelas costas, o que lhe custaria o segundo amarelo minutos depois e a expulsão de Polga é sem dúvida por vermelho directo. Para além disso, e mais importante, o desnível entre as equipas foi mais que evidente, suficiente para qualquer lagarto se enfiar na toca. Mas, enfim, é complicado para a lagartada não estar constantemente a chorar, já se sabe. Ou foi o árbitro, ou o azar, ou o vento, ou uma conspiração qualquer...

Uma última palavra para a(s) conferência(s) de imprensa do nosso treinador: uma vergonha. Elogiou mais o adversário do que a própria equipa, isto depois do nosso excelente resultado. Não conseguiu mais uma vez aproveitar um sucesso da equipa para fazer subir os níveis de confiança dando o mérito aos jogadores, como seria justo. Como sempre, politicamente correcto, incapaz de fazer a diferença e de unir o grupo...

E que os jogadores (e só eles) façam o melhor que sabem em Manchester. Têm qualidade para podermos sonhar.

sexta-feira, dezembro 01, 2006

Idiotas!

Os imbecis jornalistas desportivos lagartos do Record conseguiram, esta semana, a notável proeza de produzirem mais uma pérola da imprensa escrita. Estou a falar, claro dos 222km/h do fantástico livre do Ronny.



O livre é impressionante, é impossível negá-lo. Mas só o tradicional fanatismo Recordiano e a constante intoxicação do público para as "maravilhas" do plantel lagarto, que tem enchido as páginas deste jornal, justificam o esquecimento (propositado ou não) de que até os grandes especialistas da actualidade dificilmente ultrapassam os 150 km/h, como aliás basta um pouco de pesquisa no Google ou algumas páginas de fãs mais bem informados.

PS - Gostava que o treinador (até me custa dizer o nome dele) e departamento médico do Benfica não faça as asneiras do costume arriscando o Miccoli para depois agravar uma lesão que até podia ser simples...

terça-feira, novembro 28, 2006

Curtas

Este Benfica do Fernando Santos é fraco. A equipa joga sobre brasas e o treinador é o principal culpado (pelo que vejo e pelo que oiço passar-se nos treinos). Não acredito que a equipa tenha a capacidade mental (como tinha o ano passado) para responder a adversidades muito grandes em Alvalade ou em Manchester. Não gosto de destabilizar o meu próprio clube, mas a margem de manobra de FS é curtíssima e, sinceramente, na minha opinião, só tinhamos a ganhar com a saída dele.

O Sporting-Benfica terá um árbitro não internacional sem currículo... E mais uma vez, o único árbitro que não me parece pertencer à corja habitual, Pedro Henriques, não arbitra um jogo importante.

Espantoso o silêncio à volta do golo irregular do FCP que deu a vitória no passado fim-de-semana. O Bruno Alves está em linha, mas o Postiga beneficia claramente da posição irregular inicial. Se fosse uma recarga, alguém teria dúvidas? E se a camisola não fosse azul-e-branca?

segunda-feira, novembro 13, 2006

Analiticamente...

O Record (não só o Record, mas sobretudo este jornal da lagartada) tem dedicado as últimas edições a:

- Arranjar algum tipo de estatística para desvalorizar ou menosprezar o Benfica e os seus jogadores. Veja-se como nas últimas 2 ou 3 edições, conseguiu fazer uma análise detalhada aos livres do Benfica e concluir que, afinal, o Simão está em crise, ou ainda que o Nuno Gomes perde eficácia em Novembro, possivelmente por causa dos maus espíritos do Halloween.

- Promover, valorizar e levar ao ridículo o jornalismo clubístico, elevando o 2º classificado do Campeonato Nacional, equipa que tem 2 pontos de desvantagem do 1º classificado (com quem já jogou na 1ª volta) e que, no caso de uma vitória no jogo em atraso terá apenas 1 ponto de avanço sobre o Benfica, a um nivel verdadeiramente galáctico. Não há nada no Ceportem que não valha a pena ser capa do Record, desde grandes análises aos prodígios da formação (incluindo jogadores fantásticos que nunca fizeram coisa nenhuma até jogadores que até fizeram coisas boas, mas não no Sporting, como Futre ou Figo) até aos métodos tão inovadores do seu treinador que formou irmãos de armas. Para continuar na senda do êxito, seguir-se-ão, certamente, análises químicas aos gases vertidos pelos jogadores leoninos no banco, gases esses que irão ser também os melhores do mundo (são diamantes em bruto!), segundo a crítica desportiva, tão habituada a conviver com o aroma.

segunda-feira, novembro 06, 2006

Fantástico...

... como o Miccoli deixou o defesa do Beira-Mar nas covas.

... como o nosso treinador consegue a proeza de não pôr esta equipa sempre a jogar assim tão bem.

... como perdemos 3-0 no Celtic Park, contra uma equipa tão abaixo do nosso valor.

Mas especialmente fantástico...

... como o FCP consegue marcar este jogo para 2ª feira, sem razão aparente, porque jogou na Liga dos Campeões no mesmo dia do Benfica e o Vitória não jogou. Não me digam que jogos à 2ª feira são bons para o futebol...

... como jogadores ligados ao FCP arranjam problemas de balneário no Vitória, perturbam treinos (houve um que durou 20 minutos!), são suspensos e deixam de treinar, não sendo opção para o jogo, precisamente na semana antes do jogo com o FCP.

terça-feira, outubro 24, 2006

Andam a gozar connosco



Este ladrão é o árbitro para o FCP-Benfica. Este ladrão já nos prejudicou esta época, com aquela expulsão ridícula que nos custou um empate. Este ladrão já mostrou a sua dualidade de critérios esta época, quando não expulsou um jogador do FCP pela mesma razão que expulsou um do Benfica. Tudo isto, e esta Comissão de Arbitragem tem a lata de o nomear!

Andam a gozar connosco!

domingo, outubro 22, 2006

Xistrada...

Estava a ver o jogo do Glorioso com o Estrela na companhia do meu irmão que me disse, pelo andar das coisas, algo do género: - "não temos ninguém tapado. Este tipo vem aqui para expulsar alguém". Quando ele disse isso, já o Luisão e o Simão (na primeira falta que fez, depois de ter sofrido muitas) tinham visto amarelo por "dá cá aquela palha".

A expulsão do Miccoli revelou o que se esperava. O sr. do apito estava na Luz para servir os interesses de alguém. Um critério ridículo, de intimidação constante aos jogadores do Benfica, à espera do mínimo pretexto para os amarelar. As advertências aos jogadores do Estrela faziam o necessário branqueamento...

Não sei se se lembram, este senhor apitou nas Antas um célebre FCPorco x Campomaiorense do qual perdura a imagem de um jogador Alentejano caído no chão, levando pontapés e sendo cuspido, com a total complacência deste mesmo árbitro.

Quem se lembra desse jogo e assistiu ao Benfica x Estrela de hoje, pacífico e bem disputado, dirá que não foi apitado pela mesma pessoa. Mas foi. E o intuito foi exactamente o mesmo...

Ouvi também os comentadores da TVI afirmarem que o árbitro estava inseguro, sem norte (aqui discordo!!! Estava com a cabeça totalmente no Norte, mas a apitar em Lisboa...), sem saber o que estava fazer e a rubricar uma exibição horrível. Pois bem, quem não está de consciência tranquila reage assim. Este senhor, Xistra, não podia estar de consciência traquila.

A expulsão do Micolli foi apenas a confirmação disso mesmo: - Estava na Luz a apitar para o que o Benfica vai fazer na próxima jornada.

Um dia isto há-de acabar.

terça-feira, outubro 03, 2006

Dualidade

Alguém me explica a diferença entre as palmas do Léo, em Paços de Ferreira, e as bocas do Pepe e os protestos continuados do Lizandro, ontem?

Isto, precisamente com o mesmo árbitro (se é que ele merece ser chamado de tal)...

quarta-feira, setembro 20, 2006

Metam gelo

Já não suporto ouvir a lagartada a choramingar com o golo com a mão. Sim, foi com a mão, mas não foi menos descarado que a falta do Nani na Madeira ou com a bola dentro da baliza do Ricardo, o ano passado.

Hoje, chegaram ao ponto de pedir opinião ao nosso treinador. Mas porque é que, em Portugal, gostam de perguntar o óbvio? O que é que ele ia dizer? Que não foi com a mão?

Tenho muita pena que este movimento moralista que está tão indignado com este atentado à verdade desportiva (se é que isso existe) tenha estado ausente do país, distraído ou de férias quando o Benfica foi eliminado da Taça de Portugal do ano passado pelo V.Guimarães com um golo com a mão, em pleno Estádio da Luz. Aí, claro que havia um rol de atenuantes: 37000 jogadores entre o árbitro e a bola, o índice de refracção da luz, a própria tonalidade da bola contra a camisola do Vitória...

Já diz o povo, quem não chora, não mama... Eu prefiro dizer-lhes: metam gelo e alonguem.

PS - E continuem amigos da malta lá de cima...

domingo, setembro 17, 2006

" G A T U N O ! ! "

" GATUNO! GATUNO! "

"Gatuno!" foi a expressão mais ouvida no final do jogo de Sábado em Alvalade. Peca por falta de originalidade, uma vez que na semana passada, Gatuno! deve ter sido uma expressão também muito usada pelos adeptos do Nacional. Mesmo assim, acho que a expressão vem da primeira jornada, gritada pelos adeptos do Boavista em Alvalade. É que validar o terceiro golo do Sporting, depois daquela falta sobre o Mário Silva, é mesmo coisa de Gatuno!.

Vamos às contas:
- Na primeira jornada, com o começo da Gatunagem, os lagartos ganharam dois pontos.
- Contra o Nacional, com um golo de Gatunos!, ganharam mais dois;
- Contra o Paços de Ferreira, perderam 1 ponto (0 a 0 é empate!);

TOTAL: 2 + 2 - 1 = 3

De facto, o que não falta são gatunos!


PS: O pasquim Record apressou-se a fazer a defesa dos seus meninos queridos: "Aldrabice" titulam eles. Pena que com uma semana de atraso!...

terça-feira, setembro 05, 2006

Os espasmos de um apito...

A passar os olhos pela secção de desporto do DN, dei de caras com esta pérola: "Árbitros foram abordados para prejudicar Benfica na época 2003/2004".

O meu comentário: - Sacana do apito, quase quase morto, e volta e meia tem espasmos destes. Logo ele que, segundo o Major, "apita apita mas não se houve nada...". E mai' nada!!

PS: Lembro-me bem deste jogo com o Nacional. Quanto ao Augusto Duarte, é dos bons, não engana. Tem uma aura dourada!...

segunda-feira, agosto 21, 2006

Paixão Total

"Paixão total" foi o mote para o (fraquinho) jogo de apresentação do Benfica e, pelos vistos, teve continuidade em Alvalade. Bruno Paixão, que a lagartada adora pintar de vermelho na sua choradeira pós-derrota-em-jogo-decisivo mas que decidiu honrar com um convite para o jogo de apresentação, mostrando que, afinal, tem fãs no Lumiar, conseguiu expulsar Materazzi em lances perfeitamente casuais e assim estragar ainda mais um jogo morno, na sede de exibir uma autoridade desmedida.

Desejo de vingar Zidane ou estupidez pura? Teremos 30 jornadas para confirmar a segunda hipótese.

PS - Figo é grande, grande. Capitão de Portugal, capitão do Barcelona, capitão do Real Madrid, capitão do Inter. Inigualável.

PS2 - Escrevi o post acima antes do fim do jogo e da rábula do penalty. Não é um unânime que este árbitro devia ter sido irradiado há anos?

quarta-feira, agosto 09, 2006

Co Adriaanse

Co Adriaanse bateu com a porta. Ao que parece, por quebra de confiança com o gang comissionista que gere a SAD do FCPorco.
Estou curioso para ver a reacção da imprensa e o modo como será feito o branqueamento do caso. Gostaria de lembrar que foi essa mesmo imprensa que atribuiu a Co Adriaanse o título de melhor treinador da época passada e por largas vezes teceu os mais rasgados elogios à frontalidade e ao carácter do agora ex-treinador porquista.

Vai uma aposta para saber quem é a besta?


PS: Conseguem imaginar as primeiras páginas e os jornais que se vendiam se esta palhaçada com treinadores se passasse no nosso Clube?

Menos mal

Foi o jogo do menos mal.

O 11 inicial foi menos mau (Quim, finalmente!).
A exibição foi menos má.
O resultado foi menos mau.

E digo isto porque não consigo ter a coragem de dizer que foi bom.

Mais a sério, parece-me que o Katsouranis e o Petit não podem jogar ao mesmo tempo. São jogadores "iguais", que ocupam o mesmo espaço e que acrescentam muito pouco às manobras ofensivas da equipa. Cada vez que a bola sobrava para o Petit, encostado à linha lateral, já sabia que não ia sair dali centro nenhum. Simplesmente, o Petit não é jogador para andar naquela zona do campo. Além disso, a presença destes 2 jogadores não faz aumentar a pressão sobre o adversário a meio-campo, pelo que me parece que faria mais sentido só jogar 1 deles e lançar um jogador mais ofensivo (Miccoli, quando estiver em condições?).

PS - Aqui fica a nossa palavra de homenagem ao Presidente Jorge de Brito. Lembro-me de ter ido à Assembleia Geral em que ele se demitiu e de ter, de alguma forma, sentido a sua mágoa em não ser capaz de gerir o Benfica da forma romântica como ele o vivia.

domingo, agosto 06, 2006

Tomasselink

Alguém me explica a diferença entre o caso Tomasson e o caso Hesselink (e agora, caso Kuyt)?

Parece-me que o FCP (ou o seu treinador) ainda vai pagar o preço de ter apostado tanto nesta contratação, ao ponto de ter dispensado 3 (!) pontas-de-lança, sendo que pelo menos 1 deles (McCarthy) faria os rivais roerem-se de inveja.

Eleições

As eleições da Liga vão ter resultado previsível, tendo apenas um candidato. Para mim, o único ponto de interesse deste período eleitoral é a forma como os clubes se posicionam em apoio ao candidato e quais as contrapartidas desse apoio.

Muito se tem especulado nos últimos anos sobre a influência do Benfica na Liga de Clubes. Foi estratégia da direcção do nosso clube não ter, nesta lista, qualquer pessoa afecta em posições de direcção, sendo que o Benfica está apenas interessado em participar nas discussões relacionadas com a actividade empresarial dos clubes. As "condições" exigidas pelo Benfica, para dar o seu apoio ao candidato, são públicas e resultam de um estudo efectuado pelo nosso clube. Medidas de credibilização e de preocupação com a sustentabilidade dos clubes.

Também os nossos vizinhos do Ceportem impuseram as suas condições ao candidato, condições essas que permanecem desconhecidas do público. Aquilo que sabemos, e para que conste, é que o Ceportem é o único dos grandes com lugar na Direcção da Liga.

Por isso, lagartada, não se esqueçam disso, da próxima vez que lhes apeteça "espingardar" contra o árbitro, a Liga, o vento, o clima, a inclinação do campo, o tecido das camisolas e aquele azar e todo o rol de desculpas que inventam cada vez que falham num momento decisivo: a Liga é vossa e que ganhe o melhor.

sábado, julho 29, 2006

Mau, mau...

...muito mau! Injecções de atitude, querer e força precisam-se... Têm que fazer efeito no prazo de 10 dias.

quinta-feira, julho 27, 2006

Honra

É para nós uma grande honra poder estar nesta lista.

A feijões...

... mas nem por isso menos confrangedor. Estou a escrever aos 72 minutos, mas não tenho receio em adiantar-me e escrever que a nossa exibição foi pavorosa.

Mas, para mim, o que é triste é que aos 40 segundos já uma brisa fazia o levezinho voar sozinho em direcção ao chão. Aos 4 minutos, o mesmo jogador inventou um livre em posição frontal. Aos 10 minutos, este amigo teve uma entrada perigosa e um deu um pontapé no Ricardo Rocha. Mesmo antes de sair, ainda deu mais um mimo no Petit, isto para não falar das constantes quezílias ao longo do jogo. É esta a mentalidade do nosso campeonato, do nosso jogo.

O homem até pode ser goleador e mexer-se e posicionar-se como poucos. Mas na minha opinião, ele que jogue no clube dos outros e não no meu. Ver esta tristeza de jogador (a mergulhar) na Selecção, NÃO!

PS - Já agora, não era o Deivid que era um reforço para a Selecção?

sexta-feira, julho 21, 2006

E os aplausos vão para...

Como já escrevi aqui antes, não sou dos que alinham na euforia de grupo à volta do nosso nº 10. Já li em blogs que muito prezo quem lhe chame Maestro, quem não lhe poupe elogios ao Benfiquismo. Prefiro pensar que o nosso nº 10 é um jogador que já foi grande, dos maiores de sempre do nosso país, mas que nem sempre geriu de forma honesta a sua relação com o clube que o formou. E insisto nesta tecla porque me aborrece que o nosso nº 10 seja vangloriado como é, seja quase eleito capitão de equipa pelas massas e se esqueçam de outros jogadores que estão cá há mais anos e com mais jogos que ele: Luisão, Petit, Simão e especialmente o Nuno Gomes.



Sinceramente, sem querer parecer destabilizador, o meu aplauso nostálgico de amanhã vai para o melhor defesa-central que vi jogar e que se vai sentar no banco do nosso adversário: o grande Ricardo Gomes. Sempre apreciei nele a forma elegante como se fazia a cada lance e a forma decidida com que subia à área adversária. Lembro-me também de um ano em que ele decidiu uns quantos jogos sobre os 90 minutos. E claro, coube-lhe a honra de ter sido o primeiro jogador estrangeiro a capitanear o Benfica, honra essa que penso que terá sido bem entregue. Por tudo isto, este jogador deixa-me muito mais saudades que um qualquer vendedor de sonhos.

Já agora, não deixem de ver um exemplo do que falo aqui, parte da gloriosa (melhor adjectivo não podia ser) colecção de vídeos do S.L.B.

segunda-feira, julho 17, 2006

Época nova, vida nova

Terminado o período nacionalista (e mundialista), que motivou este blog a evitar as quezílias clubísticas contribuindo para o espírito de apoio à Selecção Nacional, é tempo de voltar. É certo que os clubes normalmente visados neste espaço até nem tinham lá muitos jogadores, mas vamos acreditar no purismo de que aquela ainda é a selecção de todos nós.

A época começa, pois, como terminou: com o arguido em alta, mercê das "trocas e baldrocas" que lhe permitiram safar-se de se tornar pen-pal de Lucianno Moggi para passar o tempo de reclusão. E lá anda ele, com a "habitual ironia" que já só faz rir quem ainda tem paciência para encarar tamanho esgoto e cara-de-pau. Para não variar, a "habitual ironia" é sempre sobre o nosso clube ou o seleccionador nacional, mesmo que para os lados azuis se esteja a preparar uma reedição do caso Tomasson. É que me parece que o FCP terá apostado tudo num único cavalo, em termos de contratações, e este tal de Hesselink terá mais que fazer do que jogar num clube onde se costuma perder o cabelo de tanta vitamina (lembram-se da geração do André?)...

Só lamento que no nosso país não haja pessoas corajosas e a eficiência vista no CalcioCaos. Notável como em tão pouco tempo o caso foi investigado e julgado, tendo as consequências desportivas sido imediatas. Foi visível o esforço para que a sentença surgisse antes do começo do campeonato, algo que em Portugal é completamente esquecido, não só neste caso como, por exemplo, no diferendo Gil Vicente - Belenenses.

O Ceportem... Bom, parabéns para eles, por terem festejado o centenário um ano antes... Normalmente, festeja-se do 100º para o 101º, mas sabe-se que aquilo é um clube diferente e tal.

Graças ao Mundial, o Benfica teve uma pré-época bastante calma. Não houve o carnaval de contratações e só lamento que o D'Alessandro não tivesse vindo. Parece-me que o Benfica terá algum potencial com os "Mundialistas" e se conseguir os melhores jogadores. Parece-me que o Rui Costa pode ser importante, mas tenho sérias dúvidas da sua eficácia quando for melhor coberto, com aquelas marcações impiedosas que caracterizam as equipas mais pequenas, e nas segundas partes de jogos a sério. Parece-me também perigoso jogar sem alas, depois de tantos anos a jogar intensivamente por lá.

Para nós, adeptos, é tempo de aproveitar a pré-época para nos prepararmos convenientemente para os primeiros embates da época e assegurarmos um lugar na Liga dos Campeões e tentarmos fazer pelo menos o mesmo que na época passada.

terça-feira, abril 11, 2006

Levado ao colo...

... foi o Manu para fora de campo quando foi expulso por palavras, mesmo a tempo do jogo da próxima semana com o Sportem.

quarta-feira, abril 05, 2006

Verdades deturpadas

De volta às lides nacionais, gostei muito do trabalho que surgiu no site oficial do clube, acerca de alguns mitos que, ao longo do tempo, ganharam lugar nas mentes mais fracas de quem aprecia o fenómeno futebolístico. Temas como o caso Calabote ou a relação do Benfica com o Antigo Regime são, exemplarmente, dissecadas aqui.

Agradecimento a estes amigos pela chamada de atenção.


PS - Que baile que o Humberto está a dar no Rui Santos, na SIC Notícias.

Tremeram...

... mas não caíram. Venceu a melhor equipa. Saímos orgulhosos, de cabeça erguida, mas sem deixar de pensar naquele minuto 61...

Venha a Liga!

É preciso que tenham...


Imagem retirada de www.sl-benfica.com


Eu tenho.

terça-feira, março 28, 2006

Os melhores do mundo

Aconteça o que acontecer, os melhores do mundo jogam de águia ao peito. Primeiro, precisamente porque jogam de águia ao peito. Depois, porque têm o nosso Estádio a apoiá-los. Ora, vamos lá todos acreditar e puxar por eles, esta noite!



PS - Ah! O rapazito brasileiro dos dentinhos grandes, que joga nos outros, é jeitoso e tal, dá uns toques, mas o nosso plantel está fechado. :)

quinta-feira, março 23, 2006

Brokeback football

Eram uma vez dois cowboys: o cowboy azul e o cowboy verde. Os dois cowboys moravam numa região pobre, com cabeças de gado magras, mas muito orgulhosa dos seus concursos regionais, pelos quais todos os cowboys da região disputam ferozes e mortais batalhas entre si.

O cowboy azul era o mais premiado, nos tempos mais recentes. Havia ganho a maioria dos últimos prémios, excepto nos anos em que o cowboy verde arranjou um boi argentino, que se atirava para o chão como ninguém, e um boi brasileiro, cujas "cornadas" se tornaram lendárias lá na terra. O cowboy azul e o cowboy verde eram muito amigos. Nas noites frias, no meio da montanha aconchegavam-se carinhosamente para não sentirem o frio e o desgaste da dura vida das pastagens. Por vezes, o cowboy azul até aproveitava para mais qualquer coisa, mas o cowboy verde não reclamava e deixava-se estar quietinho e feliz.

As vitórias constantes do cowboy azul chamaram a atenção do xerife, que achou estranho que, nos momentos chaves de cada concurso, havia sempre um juíz pronto a ajudar. O xerife lançou então uma investigação às relações do cowboy azul com os juízes e até acusou formalmente alguns dos amigos do cowboy azul de batotice. Mesmo assim, o cowboy azul não perdeu a compostura e continuou a participar.

O grande inimigo dos 2 amigos era a tribo de peles vermelhas que havia pela zona. Chamavam-lhes "bárbaros" e gozavam-nos por os acharem boçais, rudes, pobres ou incultos. Quis o acaso (ou não) que os peles vermelhas ganhassem o primeiro concurso depois da investigação do xerife. Logo os cowboys azul e verde conspiraram na sua tenda para espalhar a má língua na feira, dizendo que os juízes os haviam "levado ao colo", expressão que tão bem conheciam, possivelmente devido aos serões na tenda.

Até que, como em todos os grandes amores, os cowboys foram postos à prova, defrontando-se num dos torneios. O cowboy azul levou a melhor, com a tradicional ajuda do juíz e desta vez o cowboy verde ficou triste. Berrou, gritou, reclamou, mas já ninguém o ouviu, lá longe na montanha. O cowboy verde não aguentou a dor de perceber que não havia amor naquela relação, algo que ele já tinha desconfiado pela pouca vontade do cowboy azul em trocar de papeis. Tinha sido usado e abusado. Para ajudar, estava quase falido.

Agora, de colo nem queria ouvir falar, provavelmente porque estar sentado era tarefa quase impossível. Os peles vermelhas, esses, não conseguiam parar de rir.

domingo, março 19, 2006

São Mantorras

O nosso jogador-talismã lá quebrou o enguiço e marcou o que os outros passaram os 90 minutos a falhar.



Francamente, não sei já o que pensar dele. Se tantas vezes me parece inconsequente, perdido em fintas "estrambólicas", faltoso e individualista, não me deixa de impressionar a forma como ele galvaniza o público e a própria equipa desde o momento em que se levanta para aquecer. É um verdadeiro fenómeno que, nestes momentos em que a coisa parece realmente perdida, lá aparece com um destes pequenos milagres.

Por todos estes motivos, muito longe de serem racionais, pela pureza, alegria e vontade de estar em campo, acho que há espaço para o Mantorras no Benfica. Assim o queira o nosso mister... (deixo os comentários às declarações que o Koeman proferiu sobre o Mantorras ao meu colega de blog, que já me disse que lhe quer deixar um mimo)

Com dedicatória...

Este foi para si, Sr. Koeman, e para todos nós!




Dispensar o Mantorras, é não perceber a essência do Benfica. E isso é grave...

quarta-feira, março 15, 2006

Jorge CÃOroado

Perdemos, perdemos! não há nada a fazer. Estes ciclos negativos são complicados, dificeis de sair e ainda mais dificeis de explicar.
Juntar a isto as arbitragens que nos têm fustigado, dá um cenário aterrador.Já para não falar de que nestas alturas toda a gente gosta de atirar pedras, e quanto maiores melhor.

Vem isto a propósito dos comentários às arbitragens feitos pelo Jorge Coroado na Antena 1. Não é que a aventesma teve a lata de dizer que o golo do Vitória de Guimarães foi limpo, porque o passe do Flávio Meireles foi feito com o joelho?! - Quem é que explica a este coisa que o joelho é na perna?! - Aquele lance foi com o COTOVELO!!!!

Isto é o que dá darem tempo de antena a gente desta. Visto por outro lado, valeu a pena ter sido bufo durante o tempo em que foi árbitro. Garantiu o tacho.
Para quem não se lembra, este senhor foi castigado, porque forneceu a lista das nomeações de árbitros de uma jornada da liga à imprensa, quando tal não era permitido...
Estas jogadas nojentas de bufo profissional valeram-lhe o tacho que tem hoje.

Pode ser que se queime!

Trio de ataque

Os 4 energúmenos do programa (e sim, incluo neste grupo o "nosso" representante que passa mais tempo a atacar o próprio clube em vez de o defender dos outros 2 ou 3 "paineleiros") tiveram ontem mais uma noite de glória.

O ponto alto da noite ocorreu quando o Jorge Gabriel disse que o Franco foi mal expulso no jogo do passado fim-de-semana, porque "o Nuno Gomes ficava sozinho, mas ainda tinha 20 metros para correr. Nesses 20 metros podia acontecer muita coisa, como a bola furar-se ou ele ficar sem uma bota". Realmente...

sexta-feira, março 10, 2006

Dia D

Estamos nos últimos 8, por isso, não pode haver espaço para medos nem cedermos à tentação de só querermos o adversário mais fácil.

Temos que assumir o que valemos e o que já fizemos, que é muito. Temos que confiar que podemos bater qualquer um.

Este é o espírito certo:


quinta-feira, fevereiro 23, 2006

Enjôo

Preciso de um comprimido para o enjôo: no MaisFutebol o Benfica "sobe" a cada vitória e "desce" a cada percalço.

Entendam-se, pá! É que estar sempre a escrever sempre o óbvio é trivial.

Afinal, prestamos ou não?

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Acender o Inferno

Os resultados não são bons, mas também não eram naquela noite de Dezembro, quando presenteámos o Manchester United com uma amostra do nosso Inferno.

Amanhã, é dia de o reacender e mostrar que o nosso vermelho é bem mais forte que um qualquer red.

Força, Benfica!

sexta-feira, fevereiro 17, 2006

Condecorado

O arguido foi condecorado pela FIFA e recebeu umas insígnias de ouro.

CLARO.

Com tanta prenda e benesse aos árbitros, o prémio é mais que justo. Um dirigente exemplar.

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Some call it luck...

Coitados dos senhores do Marítimo... Duas expulsões, dois jogadores importantes a menos para o próximo jogo.

Que sorte para o próximo adversário dos madeirenses... Quem será?

quinta-feira, fevereiro 09, 2006

Que lata!

E diz que é inocente... Imaginem o que seria preciso para assumir que é culpado:

Valentim Loureiro:Então? Ganharam?
José Oliveira: Perdemos 2-1. Acabámos com nove
Valentim Loureiro: F... então porquê? O gajo esteve mal?
José Oliveira: Esteve bastante mal. Eles marcaram um penalty a acabar. Expulsou-nos um jogador. Enlearam-se os dois jogadores. Um deles e um nosso. Aquilo a expulsar era os dois. Mas a bola estava parada. Eu não sei como é que essa m... a lei do jogo.
Valentim Loureiro: Quem era o gajo?
José Oliveira: O Sérgio Pereira. É do Porto.
Valentim Loureiro: Oh que filha da p...!
José Oliveira: Oh, isto é o filho da p... do Pinto de Sousa. Eu tinha-lhe pedido o Pedro Sanhudo e o gajo não quis mandá-lo.
Valentim Loureiro: Então mas esse filho da p... não faz nada que a gente... Tenho que me empertigar com o gajo, pá.
José Oliveira: A ameaçá-lo.
Valentim Loureiro: Temos que falar com esse badamerda. É. Tenho que marcar aí um encontro e eu aperto-lhe os... que o f...! Filha da p..., pá!

Este major é um nojo de homem.

sábado, fevereiro 04, 2006

Debaixo de fogo

Incrível a agressividade do repórter Bruno Ferreira, da TVI, na flash-interview tanto ao treinador do Benfica, como com o Simão... Perguntas descabidas, indiscretas, destabilizadores e especulativas, a contrastar com a chuva de elogios e a gentileza para com os entrevistados do adversário. Mereceu que os nossos o tenham deixado a falar sozinho.

Para a história, mais um mau jogo do sector que vinha sendo o nosso melhor, a defesa, a falhar nos momentos cruciais de um jogo que teve sobretudo apenas um sentido: o da baliza do Leiria.

terça-feira, janeiro 31, 2006

Zangam-se as comadres...

... descobrem-se as verdades.

E, numa inédita iniciativa deste blog, eis a transcrição do comunicado dos Super Dragões que deixa perceber o clima que se vive pelas Antas.

COMUNICADO
A direcção do grupo de apoio Super Dragões, face ao teor das notícias vindas a público nos meios de comunicação social acerca dos factos ocorridos no centro de estágio do Olival em 29 de Janeiro de 2005, informa o seguinte:

Era desde logo fundamental, que num curto espaço de tempo, se exibissem provas de participação de um dos líderes dos Super Dragões, Rui Teixeira, na agressão ou na tentativa de agressão, ocorrida no centro de estágio.

Ao que se sabe, o ocorrido no centro de estágio, foi uma manifestação espontânea de um grupo de sócios, adeptos e simpatizantes do F.C.P, não conhecendo, nem tendo o dever de conhecer a Direcção do Super Dragões, se se encontravam no local elementos da claque.Aliás, tem sido estratégia de alguns administradores de S.A.D. ou Directores da mesma, nos últimos tempos, tentar de uma forma insidiosa e pouco correcta, colar os Super Dragões a todo e qualquer incidente que prejudique a boa imagem do F.C.Porto. Só falta com efeito, a alguns Directores e Administradores bem remunerados, acusarem os Super Dragões de falta de apoio e fé clubística. Os factos falam por si.Esta estratégia, tem como facilmente se pode constatar, o objectivo preciso de obter um divórcio entre os Super Dragões e os sócios ou adeptos do F.C.Porto. Compreende-se o desespero de alguns elementos da SAD do F.C.Porto, face às criticas, justas que têm sido efectuadas por toda a família portista. Os motivos estão à vista e alguns exemplos podem ser de imediato referidos. E fazemo-lo agora, na exacta altura em que o FCP lidera a liga isolado com quatro pontos de avanço sobre o 2º classificado para que não sejamos acusados de prejudicar a carreira do FCP, assim:

1 Quais os critérios que presidiram à escolha do treinador da equipa de futebol? Certamente os mesmos que levaram às felizes escolhas de três técnicos na época passada e a que corresponderam uma época desportiva perdida e mais de cinco milhões de euros de indemnizaçõesÉ neste período de desvario que estranhamente, um simpático e afável vendedor de revistas, de passado clubístico dúbio, assume um papel de relevo em todas as decisões da SAD Portista. É de facto um dirigente multifacetado:
1 - Por vezes assume o papel de sócio empresário na contratação de jogadores e treinadores
2 - Outras vezes como agente imobiliário no arrendamento de apartamentos a atletas do clube.
3 - Finalmente chegou a conselheiro presidencial, trepando positivamente pelas costas de um reputado Administrador e conhecido nº 2 da estrutura portista.


É para que não se vejam ou oiçam estas coisas que se ataca o nosso Director-Geral, que se analisa os jogos do Benfica de lupa na mão, procurando o mínimo deslize e desviando o foco mediático para outras paragens.

Isto está bonito, está!

PS - A isto se juntam as recentes aparições do bi-bota Fernando Gomes, como testa de ferro deste movimento underground de contestação. Ventos de mudança?

Tempos dificeis...

Prevêm-se tempos dificeis para o glorioso...

António Costa - o ladrão - (sem ofensa para os demais criminosos cá do burgo...) foi nomeado para o União de Leiria x Benfica.

Deste canalha espera-se tudo, especialmente trabalhinhos encomendados na invicta com vista a prejudicarem o Benfica.

O post é somente um desbafo...


PS: Apenas para recordar

Em baixa

Pois é. Lá fomos derrotados ao fim de uma boa série de vitórias consecutivas, num jogo onde o adversário teve o mérito de desmantelar o nosso meio-campo e, sobretudo, aproveitar as nossas falhas defensivas. O Benfica sai, justamente, derrotado deste jogo mas está longe, tal como as outras equipas do pelotão da frente de atirar a toalha ao tapete.

Claro que poderíamos desatar a apedrejar os carros da nossa equipa técnica. Claro que poderíamos queixarmo-nos do árbitro e do fiscal e dizermos que já vemos futebol há muito tempo e que sabemos quando há arbitragens manhosas. Mas não o fazemos. Admitimos, com sinceridade, que perdemos bem esta batalha na guerra do campeonato e seguimos em frente, sobretudo focados na nossa equipa, nos nossos jogos.

Outros há, que finda esta partida festejaram efuzivamente. É normal. Quem ganha, fica sempre feliz, mas quem ganha ao Campeão Nacional fica duplamente feliz. Especialmente quando se tem a corda na garganta e se anda pelo 5º lugar. É que esta vitória é tapar o sol com a peneira. E desenganem-se os que acham que o Sportem resolveu os problemas seus todos com aquela fantástica 2ª parte onde parecia ter o dobro dos jogadores do Benfica. Claro que os adeptos do Sportem têm sempre pouco tempo para reflectir nos seus próprios problemas, porque estão sempre a pensar nos problemas do Benfica. São aquele vizinho moralista, má língua, mas cuja própria casa está de pantanas, que todos temos junto de casa. Quanto a mim, dou-lhes o respeito que merecem, e o mérito que, sem dúvida, tiveram. Mas não perco mais tempo com eles do que com o adversário da próxima jornada.

Noutras paragens, a derrota do Campeão Nacional foi notícia agradável. Abria perspectivas boas no alargamento da distância pontual, o que até se verificou, com o empate do FCP em Vila do Conde. Pouco contentes com a campanha actual do FCP, alguns "cromos" decidiram fazer uma espera ao treinador, que culminou com sessão de apedrejamento à boa maneira antiga. Desconheço se usaram o site do clube para organizar o evento, porque é comum mandarem recadinhos por lá, mas que a coisa foi bem organizada foi. Especialmente pelos que deixaram a matrícula do carro à mostra. Enfim, com mentes destas, não admira que nem com um orçamento que é o dobro do nosso, consigam mais do que uns míseros 4 pontos de vantagem. E diga-se que estes 4 pontos só não são menos, porque lá houve a ajudazinha a compensar a falha do Helton bem em cima do final.

Para nós, é tempo de tirar conclusões desta derrota e pensar nos próximos jogos. Não perdemos qualidade só por causa deste jogo, tal como as vitórias anteriores não nos davam vantagem nenhuma para este encontro. Estamos em baixa, é verdade, mas cabe-nos a nós ajudar a equipa a recuperar, apoiando-a já na próxima jornada.

quarta-feira, janeiro 25, 2006

Coacção

Pelo título, podia-se pensar que se trata de um post sobre o treinador do FCP. Não, não se trata, ainda que me apetece falar sobre o facto do Vitor Baía ter ido parar ao banco. Mas acho que o nosso Director-Geral já disse o suficiente ao sr. Nuno sobre o assunto.

A 13 de Novembro de 1998, o Benfica preparava-se para a visita do Sporting de Braga. O árbitro seria o sr. Mário Mendes. O então presidente do Benfica, João Vale e Azevedo, começou a semana por expressar o seu desejo de que a arbitragem não prejudicasse o Benfica, como havia feito em semanas anteriores. Sempre célere, quando toca ao Benfica, a mítica Comissão Disciplinar da Liga resolveu suspender por 40 dias e multar em 300 mil escudos o presidente do Benfica, acusando-o de tentar coagir o árbitro.

Alguns anos depois, em vésperas de um Benfica-Sporting, muito se papagueia para os lados do Lumiar. Fala o presidente (que faz frete), o treinador, o vice-presidente. Falam todos do seu receio da arbitragem, falam todos do jogo do ano passado. Muito mais que dos desastres da sua própria equipa, do guarda-redes que jurava que o Luisão tinha marcado com a mão, do pé roto do Liedson. Mas, desta vez, não há Comissão Disciplinar, não há castigos, não há multas.

Mais grave: só houve dessa vez.

PS - Importa esclarecer que não sou, de todo, defensor de João Vale e Azevedo. Mas contra estes factos não há argumentos.

Palavra aos outros...

Leonor Pinhão

Sem dúvida que a nossa mentora voltou ao seu melhor nível.
Para a posteridade, fica esta passagem da sua crónica de opinião n' A Bola de 19-01-2006

Digam lá se não começa bem para terminar em verdadeira apoteose?...


(...)
NÃO é só na qualidade de visitante que o Benfica alimenta o futebol português. É também na qualidade de comprador. Sim, porque o Benfica paga. Vitória de Guimarães e Boavista, nos finais da década de 80 e princípios da década de 90, facturaram milhares e milhares de contos, vendendo jogadores seus ao Benfica. Só por Ademir e por Isaías, o Benfica pagou fortunas, ajudando os clubes vendedores a equilibrar as suas finanças, a construir património e a projectarem-se desportivamente como forças importantes do futebol português. O Benfica pagou em dinheiro Vata ao Varzim, Pacheco ao Portimonense, Hélder ao Estoril, Abel Xavier e Calado ao Estrela da Amadora, Vítor Paneira ao Vizela, Hassan ao Farense, João Pinto e Nuno Gomes ao Boavista, Sérgio Nunes ao União de Leiria, João Tomás à Académica, Dimas, Paulo Bento e Fernando Meira ao Guimarães, Mantorras ao Alverca, Cabral ao Belenenses, Luís Carlos e Nandinho ao Salgueiros, Fernando Aguiar, Cristiano e Beto ao Beira-Mar, Tiago, Quim e Ricardo Rocha ao Sporting de Braga. E tantos outros... E dinheiro é dinheiro, mesmo que em alguns casos o pagamento fosse para o demorado. O Benfica não se aproveitou de rescisões, não fomentou rescisões, não beneficiou miraculosamente de desvios de cartas que nunca chegaram à Liga, não assinou contratos nem compromissos fora dos limites de datas impostos pela lei nacional e internacional, não prometeu favores duvidosos a quem saísse do seu caminho. Só por duas vezes esteve mal, muito mal, o Benfica. Quando desviou Tiago do Marítimo e Paulo Madeira do Belenenses, com truques baixos e lamentáveis, que custaram anos a reparar em termos de um relacionamento profícuo com as direcções do Funchal e do Restelo. A transferência de Manduca para a Luz, a troco de dinheiro, nesta reabertura do mercado, prova que o Benfica soube pedir desculpa ao Marítimo pelo caso Tiago. Em boa hora o fez. Com o Belenenses é também de crer que o entendimento institucional voltou a ser o que era. Na época passada, o Benfica emprestou o sueco Andersson aos azuis do Restelo. Um bom sinal de apaziguamento. Na edição de ontem de A BOLA, o jornalista António Simões assinava uma simpática carta aberta ao presidente do FC Porto. A dada altura, escrevia: «(...) um amigo meu pediu-me que lhe falasse das saudades que sente dos tempos em que você descobria jogadores como desconcertantes minas e armadilhas que abalavam e aniquilavam todos os adversários...(...)» Estamos, pois, no domínio dos princípios. Provavelmente, os adeptos portistas revêem-se nesta política de contratações tão bem descrita por António Simões. Os do Benfica, não.

QUANDO, há duas semanas, o Benfica assegurou a contratação de Moretto e de José Fonte, negociando directamente as verbas envolvidas com o presidente do Vitória de Setúbal, vieram os portistas acusar os da Luz de se terem aproveitado da situação financeira do Bonfim para dar um golpe. A resposta de Chumbita Nunes foi lapidar: — O que é queriam que eles dissessem? Dos lados de Coimbra também ainda ninguém ouviu um responsável da Briosa chamar de trapaceiro o presidente do Benfica, consumada que foi a transferência de Marcel. É essa a questão. O FC Porto é o líder isolado do Campeonato, tem uma boa equipa, um grande treinador, não será fácil ao Benfica desalojar o vice-campeão da época passada da posição que ocupa na corrente temporada. Também é verdade que, no plano aritmético, já foi mais difícil... Mas fora do plano desportivo, nas últimas semanas, o Benfica deu baile ao FC Porto em matéria de contratações. Não porque tenha assegurado os serviços de cinco Eusébios, mas porque deu provas de eficácia. Ou melhor, de competência, de capacidade de perseguir um objectivo e de derrotar a concorrência sobre a meta. Normalmente, como aconteceu nas últimas duas décadas, os jornais teriam enchido primeiras páginas durante semanas com os jogadores que «interessavam» ao Benfica para, no final, serem apresentados no Estádio do Dragão, ao lado de Reinaldo Teles. Pinto da Costa, esse, nem se daria ao incómodo de aparecer. Passaria de raspão, a caminho de «uma importante reunião com investidores internacionais», cruzando-se com os jornalistas à saída, para, «com a ironia do costume », deixar escapar qualquer coisa como: «O Moretto já assinou? Julgava que ia para o Benfica... » Este ano não foi assim. Aparentemente, incapaz de bater o Benfica, vingou-se no Sporting, contratando Adriano, um proclamado interesse dos leões. E no que diz respeito à ironia do costume, vimo-lo apenas a assobiar, o que é pouco. Cada vez me convenço mais de que o black out interno decretado pelo FC Porto visa apenas um propósito: calar Co Adriaanse. O comentário do holandês, no final do jogo da Reboleira – «... mau, mau, era termos levado 5...» – por ter sido tão curto e tão pragmático não é passível de se ter perdido na tradução.



Sobre os infelizes vizinhos da 2ª circular o Ry já disse tudo. Dementes...

segunda-feira, janeiro 23, 2006

Fora da realidade

Fora da realidade é o que se pode dizer das reacções leoninas ao jogo de Sábado.

Quando se falha golos, como o que o Liedson falhou, quando se tem uma defesa apática, como se viu no golo do empate, claro que a culpa só pode ser do árbitro. É, aliás, uma práctica comum para os lados do Lumiar chorarem as arbitragens ainda mais do que o costume nos jogos que antecedem o jogo com o Benfica, o que, normalmente, até lhes garante algumas benesses piedosas.

E lá vão os adeptos e sócios do Sportem, os tais que são mais inteligentes que a média, que são de um clube diferente "e o camandro", embalados por esta conversa e com as palas metidas nos olhos que os impedem de ver o Alvaláxia deserto e um buracão financeiro, uma equipa destroçada, um treinador sem nível IV, o capitão de equipa dispensado, os brasileiros que não voltam de férias, um presidente que está a fazer um frete, a confusão nas assembleias gerais, os golos dos adversários que entram mas que não contam, a agressão do Liedson contra o Vizela ou, simplesmente, incapazes de fazer um raciocínio mais complexo que este: "Benfica ganhou, logo foi beneficiado pelo árbitro".

Isto é mais que azia. Isto já não é só mal do estômago. É demência.

domingo, janeiro 15, 2006

Empréstimos

Para mim, é preciso rever isto dos empréstimos dos jogadores. Veja-se, por exemplo, o caso do FCP. Emprestam os jogadores às equipas e eles fartam-se de se aleijar. Desta vez, láfoi o pobre do Bruno Vale (que até é internacional A) a ter um ataque de lombalgia nos últimos minutos (sorte ou azar?) do jogo da última jornada.

Assim não vale a pena pôr os jogadores a rodar... ou vale?

quinta-feira, janeiro 12, 2006

Trafulhas

Numa das televisões, ouvi qualquer coisa do género: "Dois golos e duas expulsões depois, o Benfica passa à eliminatória seguinte".

É triste, maldoso, mas habitual nestes escribas de segunda.

Para que conste, o Benfica não fez uma boa exibição, mas marcou aos 66 e aos 79 minutos. Já as expulsões, aconteceram aos 83 e 85 minutos.

Para que conste, ficou por expulsar o Liedson por agredir um adversário a pontapé nas barbas do fiscal de linha, com o resultado em 1-0 para o Vizela. Para que conste, este lance de Liedson foi classificado, na TSF, como sendo "discutível".

Indiscutível, é que somámos mais uma vitória. Isso é que conta.

segunda-feira, janeiro 09, 2006

Em alta!

A minha equipa leva 6 jogos na liga sem perder e sem sofrer golos, leva 6 vitórias consecutivas (5 na liga), conseguiu a qualificação para a fase seguinte da Liga dos Campeões, com um treinador que teve sucesso ao promover diferentes soluções tácticas (Geovanni a ponta-de-lança, Alcides a defesa-direito, adequada substituição do melhor jogador e capitão da equipa, Simão).

Hoje pus-me a imaginar o que é que seria escrito desta equipa se, simplesmente, jogasse de azul-e-branco ou se os seus jogos fossem sempre resolvidos pelo mesmo (genial, diga-se) jogador com o já enjoativo pontapé de trivela. Sexy football? A melhor gestão desportiva de que há memória? Um treinador que é uma lufada de ar fresco, com o seu jogo ofensivo? Talvez alguém pudesse dizer que temos a melhor pressão alta da Europa, como disseram de um dos nossos adversários, já esta época.

Sim, é verdade! Não merecíamos que dissessem muitas destas coisas, mas eles também não mereceram e isso não impediu o lirismo nos artigos de opinião.

Porque é que eu nunca leio estas coisas sobre nós? Venha o próximo!